Por mais padronizados que sejam os processos de aperto, as peças envolvidas tendem a sofrer diversas variações que impactam a qualidade do produto final — como o relaxamento de juntas, por exemplo. O risco de falha humana também está sempre presente. Por isso, é muito importante realizar um controle de qualidade com ferramentas de alta precisão para medição de torque.

Nesse caso, é possível utilizar dois métodos de inspeção: estática ou dinâmica. Vamos conhecer as características e vantagens de cada um.

1.MEDIÇÃO DE TORQUE ESTÁTICA

Nesta medição, o torque de aperto é verificado após o processo de aperto ter sido concluído. Somente por meio desse método é possível verificar o efeito de relaxamento nas juntas. A medição é geralmente realizada de forma manual com um torquímetro mecânico ou eletrônico. O mecânico, embora seja mais utilizado, não consegue mensurar o valor do torque residual. Vamos entender o porquê.

● Torquímetro mecânico de estalo

O torquímetro mecânico de estalo é o mais antigo método de medição de torque. Possui uma embreagem que deve ser pré-ajustada a um torque específico. Se o torque residual for igual ou maior do que o valor preestabelecido, a embreagem produzirá um estalo.

Por outro lado, caso o torque residual seja menor do que o torque pré-ajustado na ferramenta, a embreagem somente produzirá o estalo quando o valor preestabelecido no torquímetro for atingido.

É importante ressaltar que a medição de torque com um torquímetro mecânico apresenta uma grande limitação: não é possível mensurar o valor do torque residual. Se o torque residual for maior que o especificado para a junta, o valor do sobretorque não será detectado, comprometendo a qualidade do produto final.


● Torquímetro eletrônico

Para obterem uma medição mais precisa do torque residual, as empresas começaram a substituir torquímetros mecânicos por modelos eletrônicos.

Essa ferramenta possui um transdutor eletrônico (célula de carga-aferidor de tensão), capaz de ler os valores de torque no momento da medição. Além disso, alguns deles medem o ângulo e tempo durante o aperto, facilitando o controle estatístico do processo por meio da coleta e análise de dados para garantir uma melhor qualidade no aperto.

Vale ressaltar que nem todos os torquímetros eletrônicos do mercado conseguem medir este torque residual. O STWrench, da Atlas Copco, possui uma patente especial que possui estas funcionalidades.

atlas-copco-fabricas-inteligentes-medicao-de-torque-1

Medição estática (torquímetro eletrônico STWrench)


2. Medição de torque dinâmica

Nesse método, o torque é continuamente medido durante o ciclo de aperto completo. A medição, no caso, ocorre enquanto o parafuso está em movimento até que ele entre em repouso quando o torque-alvo for atingido.

Este processo é realizado por meio de um transdutor externo, que pode ser acoplado entre a ponteira e o soquete. Através dele é possível medir os valores de torque aplicados pelas apertadeiras.

Estes valores podem ser armazenados em um outro equipamento analisador de dados, que fornece análises avançadas para um melhor controle estatístico do processo, além de facilitar o processo de medição.

atlas-copco-fabricas-inteligentes-medicao-de-torque-2

Medição dinâmica (analisador de dados e transdutor externo)

Os transdutores externos podem ser utilizados de duas formas:

Para mensurar os torques das apertadeiras não transdutorizadas.

Para confrontar os dados dos transdutores internos das apertadeiras eletrônicas, reforçando ainda mais o controle de qualidade.

Caso haja diferença entre os valores de torque especificado e aplicado, pode-se tomar ações corretivas para garantir que o torque aplicado na junta esteja dentro das especificações.

Para executar essa tarefa, a Atlas Copco possui diversos modelos de transdutores que, associados ao analisador STa6000, permitem realizar de forma rápida e simples um processo completo de medição dinâmica.


Para cada processo de aperto haverá uma necessidade diferente de inspeção. A correta seleção dos métodos e equipamentos de medição de torque é essencial para garantir a qualidade do aperto na junta.

VOCÊ JÁ UTILIZA TRANSDUTORES EXTERNOS E/OU TORQUÍMETROS ELETRÔNICOS? QUER SABER QUAL É O MÉTODO DE MEDIÇÃO MAIS ADEQUADO PARA A SUA OPERAÇÃO?

ENTRE EM CONTATO COM UM DE NOSSOS ESPECIALISTAS E TIRE SUAS DÚVIDAS.

Este artigo foi relevante para você?
NULL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *